A Diferença Que a Anatomia Pode Fazer em Seus Desenhos

Eai tudo bem? Então hoje estou aqui com mais um artigo sobre a diferença que a anatomia pode fazer em seus desenhos.

Pois o que vamos abordar nesse post é anatomia, é que no caso do desenho é essencial em quase todos os estilos  de desenhos existentes.

Então eu recomendo que leia com atenção esse artigo para que ele possa te ajudar muito.

E ATENÇÃO que no final do artigo vou estar deixando 5 dicas extras para você!

Então bora pro conteúdo…


Aprenda Com a Anatomia Para Melhorar Suas Posturas

 

Compreender a estrutura do corpo humano é a chave para melhorar as ilustrações de seus personagens! Com este tutorial, aprenda mais sobre ossos, músculos e descubra como as diferentes partes do corpo estão conectadas umas às outras.

 

 

A chave para melhorar é fazer o nosso melhor e colocar nosso coração no que fazemos.

Anatomia não é um assunto fácil, mas espero que este artigo possa ser um guia rápido para você e deixá-lo com vontade de continuar aprendendo.

Vamos começar com os blocos de construção da figura humana:

A coluna vertebral é o suporte do corpo, permitindo também o movimento do tronco. Sua forma vertical diferencia os humanos de outras espécies.

.Não é uma linha reta, mas uma curva.

Sua forma faz com que a pelve e a caixa torácica se inclinam ligeiramente.


Vamos dividir em três partes para ver melhor:

  1. Coluna cervical – oferece suporte e mobilidade para a cabeça
  2. Espinha dorsal ou torácica – suporta as costelas.
  3. Coluna lombar – um pouco antes da pelve, conectada ao sacro.

No pescoço, a coluna cervical (1) está localizada logo atrás da mandíbula (2). Existem vários músculos que operam o movimento da cabeça.

O mais visível tem um nome muito, muito longo (esternocleidomastóideo), mas você pode reconhecê-lo facilmente pelo seu formato em V, partindo da orelha até o centro das clavículas (3).

No centro desses músculos está o pomo de Adão, que é mais proeminente nos homens (4).

A coluna dorsal é a parte que se conecta aos braços. Você pode desenhá-lo de várias maneiras, gosto de dar uma forma oval que lembra o formato das costelas (1).

O esterno (2) fecha essa estrutura na frente, criando, com a coluna, uma linha imaginária que divide o corpo em dois. Use-os como um guia!

As clavículas (3) são como o guidão de uma bicicleta, você pode pensar nelas como um apoio para os ombros. Cada vez que os braços se movem, eles mudam de direção.

Nas costas, você encontrará as escápulas ou omoplatas. Eles são em forma de triângulo e ajudam a mover os braços. A forma das costas muda de acordo com os movimentos desses ossos.

A pelve está localizada na extremidade do tronco, conectada à coluna lombar a partir do sacro (1). Em ambos os lados você pode ver o ílio (2); e na frente, o púbis (3).

 

Como esses são ossos um tanto irregulares, gosto de simplificá-los desenhando um par de discos para o ílio e o sacro como um triângulo invertido.

O ílio (1) o guiará para traçar os ângulos do quadril. No dorso, essas duas covinhas no final da coluna, antes de chegar às nádegas, nos ajudarão a identificar o sacro (2).

Observe que os quadris femininos são geralmente mais largos do que os masculinos – uma das principais diferenças.


Membros

Os membros podem se mover de várias maneiras, mas conhecer suas limitações nos salvará de fazer poses irrealistas (ou de quebrar ossos, ai!).

Braços:

Na parte superior do braço (A) está o úmero, um osso longo e forte que se conecta ao cotovelo e articula o antebraço (B).

No antebraço você encontrará o rádio (1) e a ulna (2). Esses ossos se cruzam para permitir a rotação do punho. Alguns artistas desenham parte do antebraço como uma caixa para definir seu volume (3).

Você pode ver um pequeno caroço logo atrás do seu pulso? (4) Faz parte da ulna. Você pode usá-lo como um ponto de referência para localizar a orientação do braço.


Pernas

Na Figura A temos os ossos da perna:

O fêmur (1) na coxa; o joelho (2) no meio da perna; a fíbula (3) e a tíbia (4) na região da panturrilha.

As pernas deveriam apoiar o corpo e dar-lhe o equilíbrio de que necessita, mas há um detalhe que às vezes escapa: as pernas não têm linha totalmente vertical. Para atingir o equilíbrio, deve haver ritmo.

Observe a ligeira inclinação do fêmur do quadril ao joelho e as curvas (fig. B) que criam o contorno da perna (vista lateral).

Outros detalhes interessantes sobre a perna:

Entre o osso do quadril e o fêmur, existe um espaço que pode ser visto como uma reentrância na pele, principalmente em homens que apresentam menos massa muscular nessa região.

Na figura C, temos o tornozelo. Seus ossos são colocados em diferentes alturas, com a fíbula do lado externo (*) sendo mais baixa.

A Figura D é uma vista posterior do joelho.

No lado externo (*), os músculos não geram muitas mudanças no contorno, mas no lado interno uma pequena protuberância é criada (eu também indiquei isso na figura A).


Proporções

De acordo com alguns padrões acadêmicos, 7 ou 8 cabeças é a altura ideal de um adulto.

No entanto, cada pessoa tem proporções diferentes de acordo com suas características físicas.

Se você comparar pessoas de diferentes alturas, notará que individualmente elas mantêm proporções de acordo com seu próprio corpo.

Para provar isso, vejamos o seguinte exemplo: dois adultos, um homem e uma mulher.

Embora a figura feminina seja mais curta, seu corpo é dividido em 7 cabeças (que se enquadram no padrão) e a figura masculina é apenas um terço de uma cabeça mais alta

No exemplo, também inclui a figura de uma criança.

Leve em consideração que, nas primeiras idades, o corpo não se desenvolveu completamente, por isso suas medidas são um pouco indefinidas. Este tem cerca de 5 cabeças de altura.

Além disso, os artistas mudam as proporções de seus personagens totalmente fora desses “ideais”, para enfatizar suas características únicas ou para aprimorar seus estilos de desenho. (Mas isso não é uma desculpa para ignorar os fundamentos!)

Um truque! Gosto de comparar elementos do mesmo comprimento, apenas para ter certeza de que tudo está bem proporcionado enquanto desenho. Por exemplo, as mãos têm quase o tamanho do rosto; os pés são tão longos quanto o antebraço.

Outro dado que acho fascinante é o fato de que, se você estende os braços, eles ficam lado a lado do mesmo comprimento que a sua altura!

Por fim, quatro pontos que nos ajudarão a melhorar no dia a dia do sorteio.

  • Observação: Estude como as pessoas andam, suas posturas, os diferentes tipos de corpos … Crie uma galeria de referência em sua mente e, se possível, tire fotos!
  • Pense em 3D: Para entender uma figura / forma, o melhor é analisá-la de diferentes perspectivas.
  • Pesquisa: Leia sobre partes do corpo, ossos, músculos, funções, etc. Do ponto de vista de um artista, tudo bem, você não precisa se tornar um médico! Estamos interessados ​​nas partes da anatomia que afetam as formas e os movimentos do corpo.
  • Desenhe, desenhe, desenhe! Pratique o desenho da figura inteira e estudos detalhados de algumas partes especialmente difíceis.

5 Dicas de Coisas Que Devemos e Não devemos Fazer na Anatomia do Desenho

1. Não Pense Como um Livro de Anatomia

Desenhar anatomia para iniciantes pode parecer opressor no início, porque há muitos músculos no corpo. Quando você está olhando para um modelo e vê muitas saliências, pode ficar tentado a puxar um livro de anatomia para decifrar o que está acontecendo sob a pele.

Um livro de anatomia é ótimo para dizer o que você está olhando, mas não é muito útil para dizer a forma tridimensional dos músculos.

Pense em volumes simples

Quando você se aproxima do desenho da figura pela primeira vez, precisa começar estabelecendo os volumes básicos da figura usando esferas, caixas e cilindros. Simplesmente começando com essas formas básicas e, em seguida, aumentando a complexidade à medida que avança, você será capaz de fazer seu desenho manter seu senso de dimensão.

Se você copiar os contornos antes de construir a estrutura, garanto que acabará com um desenho de aparência plana.

O desenho à esquerda enfatiza demais os músculos do modelo e parece mais um livro de anatomia do que uma figura. Um artista precisa pensar sobre a forma 3D dos músculos para dar à figura uma ilusão de volume.

Use um livro de anatomia para entender o que está abaixo da superfície, mas pense em cada músculo em 3D.

Não desenhe os músculos como uma série de linhas. Desenhe-os como esferas, caixas e cilindros esculpidos.

Com isso dito, você nem sempre precisa desenhar esferas e caixas na página.


2. Não Faça dos Músculos o Foco

Quando os artistas começam a prestar mais atenção em adicionar anatomia a seus desenhos, eles costumam ter uma tendência a superestimar a anatomia. As figuras muitas vezes acabam parecendo não ter pele. Os músculos estão lá para adicionar mais realismo à figura, mas não devem ser o ponto focal do desenho.

Use os músculos para reforçar a ação

O foco de um desenho deve transmitir uma ação, uma emoção ou a personalidade do sujeito. Você não quer que um visualizador pare e olhe para as partes do seu desenho; você deseja que o espectador veja a figura inteira e se interesse pelo que essa figura está fazendo e por quem ela é.

Para manter o foco na ação, é sempre uma boa prática começar todos os seus desenhos com um desenho de gestos. Um desenho de gesto serve como um projeto para a ação. Tudo o que vem depois é para ajudar a esclarecer e aprimorar essa ação.

Os músculos devem ser desenhados para amplificar o movimento da figura e não devem chamar atenção para si mesmos. Um bom exemplo disso são os personagens de quadrinhos que têm anatomia exagerada para transmitir sua força.

Uma página de quadrinhos de sucesso não é sobre os músculos do personagem, mas sobre como o poder do personagem está sendo expresso na história. Os volumes dos músculos são projetados para conduzir o olho através do corpo em direção a um ponto de ação. O leitor não pára para olhar a musculatura bem desenvolvida do personagem.

Observe como os músculos na figura à direita refletem o desenho do gesto à esquerda. Os músculos são usados ​​para reforçar a ação da figura, não são o foco do desenho.

A anatomia existe para adicionar realismo, mas é menos importante do que transmitir a ação e a atitude de toda a figura.


3. NÃO Desenhe Todas as Figuras Com as Mesmas Formas

Quando os artistas começam a usar formas básicas para desenvolver figuras, muitas vezes começam a cair em um padrão de usar as mesmas formas para construir cada figura.

OBSERVE e adapte-se às suas figuras, construção única

Quando você está construindo sua figura, você deve olhar e adaptar suas formas ao tema específico que está desenhando. Você não vai usar as mesmas formas para um fisiculturista que usaria para um lutador de sumô ou um corredor de longa distância.

Você tem que olhar para o seu objeto e descobrir quais formas simples são as melhores ferramentas para desenvolver sua figura. Por exemplo, algumas pessoas têm cabeças muito quadradas que precisam ser construídas em formas de caixa, enquanto outras têm uma aparência mais arredondada que deveria ser construída em esferas.

Essas duas figuras estão na mesma pose, mas são feitas de formas diferentes. A figura à direita é construída com mais formas de blocos e dá à figura uma sensação mais robusta.

Não aborde cada figura com uma fórmula. Em vez disso, observe e adapte suas formas para caber no assunto.


4. NÃO Copie o Que Você Vê

Se você apenas copiar o que vê, nunca criará o que imagina. Nunca vi sentido em replicar uma foto em um desenho além de ser um exercício para desenvolver habilidades de observação. Por que duplicar o que já existe quando você pode interpretar e adaptar como achar melhor?

RECREIE o que você vê na página

Habilidades de observação são importantes, mas não apenas para copiar o que você vê. Use suas habilidades de observação para analisar as formas exclusivas de seu assunto para que você possa interpretá-lo na página. Isso significa que você não está copiando contadores do corpo. Em vez disso, você está recriando uma figura na página do zero.

Você começa capturando seu movimento em um gesto, reconstrói a figura tridimensionalmente usando esferas básicas, caixas e cilindros e, em seguida, esculpe essas formas simples em formas anatômicas. Este é um processo muito diferente do que apenas replicar o que você vê.

Você está combinando o que vê com seu conhecimento 3D de anatomia para recriar a figura na página. Isso não só ajudará você a desenvolver um desenho com uma sensação de massa, mas também permitirá que você adapte e modifique a figura para criar algo novo.

Este é apenas um desenho divertido para ajudar a ilustrar que você precisa entender as formas 3D de uma figura e depois pode remontá-las na página. Essa é uma maneira diferente de pensar do que apenas copiar os contornos que você vê.

O trabalho de um artista não é replicar o que ele vê. É interpretar o que ele ou ela entende. Ao desenhar uma figura, você traz seu conhecimento de anatomia e volume para desenhar uma figura, em vez de apenas copiar contornos e valores.


5. Preste Atenção às Proporções e Anatomia

Para desenhar uma figura realista, você precisa prestar atenção para capturar com precisão as proporções e a anatomia da figura. Isso vem tanto de estudar anatomia quanto de ter boas habilidades de observação.

NÃO seja excessivamente rígido.

A anatomia e a proporção são importantes. Mas, sozinhos, eles não fazem um desenho interessante. Um desenho de figura que parece ter personalidade ou parece dinâmico vai ser mais interessante do que um que esteja tecnicamente correto.

Deixe a anatomia e a proporção assumirem um papel de apoio ao desenho do gesto subjacente. Cada etapa do desenho deve ser a criação de uma figura unificada que tenha energia e atitude, mesmo que isso signifique alterar as proporções ou anatomia da figura para enfatizar melhor essa ação.

Essa figura tem proporções exageradas – semelhantes às usadas no desenho de moda. Não importa que não seja proporcionado corretamente se a decisão de exagerar for proposital. Você pode encontrar muitos exemplos de artistas que distorcem e exageram as proporções por razões estilísticas.

Desenhar uma anatomia excelente ajuda os artistas a criar figuras de aparência realista que parecem ter massa e volume reais. No entanto, a anatomia precisa aumentar o senso de movimento da figura e não distraí-lo. Você deve ter a habilidade de desenhar os músculos em 3D para modificar e adaptar as formas e enfatizar o movimento e a personalidade de seus objetos.


Então é isso, espero que eu tenha te ajudado de coração mesmo,

Se esse post tiver te ajudado de alguma forma sequer, já vou ficar muito grato…

Não se esqueça de compartilhar esse post com seus amigos e familiares que também gostam de desenhar,

Até mais então,

Um forte abraço,

Miguel Messias – meuanimeart.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.